sábado, 10 de agosto de 2019

Óvnis - Documentos vazados confirmam o fenômeno

Curiosidades
Por Fábio Alves


Recentemente em junho de 2019, o historiador, autor e pesquisador Richard Dolan descobriu uma série de documentos que instigam e revelam detalhes sobre investigações oficiais sobre ovnis.




Ocorre que muito do que já tem vazado nos últimos anos relacionados a ovnis sempre foi para um acobertamento do fenômeno e as vezes se referia a possibilidade de origens extraterrestres dos casos. Não havia nenhum documento constando conversas pontuais entre altos funcionários de governos e entidades corporativas que claramente tem a posse e pesquisas de tecnologias obtidas de veículos ovnis recuperados. Assim esse vazamento recente expõe claramente discussões e diálogos de forma didática, clara e inequívoca.







Os documentos vazados de 15 páginas (link https://imgur.com/a/ggIFTfQ) são do almirante Thomas Ray Wilson, oficial com longa e distinta carreira na Marinha dos EUA. Eles relatam oficiais americanos discutindo ovnis, corpos de alienígenas, o acidente de Roswell e a atuação da inteligência militar dos EUA sobre casos de encontros imediatos e mesmo interações de outros paises com ovnis. Até mesmo a Área 51, considerada uma localização militar de controle de tecnologia alienígena, é citada no documento que vazou, assim como outros locais relevantes para as pesquisas.







A seguir segue imagem de parte do texto e tradução para a qual se confirmam expressões conhecidas do fenômeno ovni e que se confirmam nas investigações. 


"" 2. O nome e a última localização de um oficial sênior, o qual acredito tinha conhecimento em primeira mão da reprodução de veículos alienígenas (ARVs) pelo governo dos EUA na Área 51 e localizações associadas.

3. O nome e a localização atual de um oficial sênior reformado (Flag-rank) o qual, acredito, estava diretamente envolvido na interação do governo com um evento OVNI significativo na costa leste dos EUA, e, acredito, tem, em virtude de sua antiga posição de liderança, alto escalão militar e controle de forças militares significantes, direto conhecimento do envolvimento do governo dos EUA (USG) neste negócio.

4. Uma lista de empreiteiras civis [contratadas pelo] do governo, em virtude de seu trabalho classificado [secreto] no passado e atual, capacidades atuais, licenças de acesso, equipe especializada, e áreas geográficas, muito provavelmente possuem um envolvimento e conhecimento do trabalho do governo em tecnologias derivadas de alienígenas, acidentes, pousos, e eventos associados. ""



Portanto a avaliação que Richard Dolan faz sobre esse documento não é apenas impactante, mas sua precisão elimina qualquer dúvida de que certas corporações e militares americanos confirmam a veracidade dos ovnis e que não se originam da terra. Assim o mais chocante não é apenas a confirmação dos ovnis, mas o trabalho com engenharia reversa dessa tecnologia adquirida. Pode se dizer que aquele salto tecnológico de cem anos até hoje pode ter um explicação. Com essa revelação bombástica e de difícil negação, espera-se que haja uma maior abertura por futuros governos para o tema e que finalmente seja revelado esse grande mistério para a humanidade.


quinta-feira, 18 de julho de 2019

50 anos do primeiro Homem na Lua

Curiosidades
Por Fabio Alves



Esse ano, mais precisamente em 20 de julho de 2019 fará 50 anos que o homem pisou na lua pela primeira vez. O astronauta americano Neil Armstrong e sua equipe concretizou um dos maiores sonhos da humanidade. 



A preparação 

Desde o final da segunda guerra mundial cogitava-se o projeto de ida a lua. Com o início da guerra fria entre os EUA e União Soviética os embates se acirraram e a corrida espacial foi mais uma das disputas. Principalmente por ter sido os soviéticos a terem colocado o primeiro humano em órbita da terra. O presidente americano John Kennedy em seu emblemático discurso de 1961 diante do congresso americano, estabeleceu a alunissagem como meta até o final daquela década.




Foram várias missões de preparação até a Apollo 11 fazer o espantoso pouso na Lua. Uma preparação minuciosa para um feito realizado pelo experiente piloto Neil Armstrong e seu companheiro Edwin Aldrin ambos com 38 anos. Michael Collins, o terceiro homem da tripulação, acompanhou tudo de seu módulo a 96 Km de altura. 






O pouso histórico 



Em torno de 850 jornalistas de 50 países registraram o acontecimento. Cerca de um bilhão de pessoas assistiram pela Tv quando Armstrong deu seu primeiro passo na lua. ‘As 23h e 56min do dia 20 de julho de 1969, Neil Armstrong, recuperado de um escorregão ao sair do módulo pousado, ergueu seu pé esquerdo e marcou o solo lunar no Mar da Tranquilidade, planície escolhida para alunissagem. 









A famosa frase ecoou pelo mundo: “Este é um pequeno passo para o homem, um gigantesco salto para a Humanidade”. Vinte minutos depois Aldrin se uniu a ele, espantado com a baixa gravidade e facilidade de movimentação. 








Os dois astronautas ficaram 2h e 10min no Mar da Tranquilidade. Após estearem a bandeira americana e fazerem um novo discurso afirmando representar toda a humanidade, receberam os cumprimentos do presidente Nixon e colheram 27 kg de pedras e pó. E instalaram um sismógrafo, um refletor de raios laser, uma antena de comunicação, um painel de estudo solares e uma câmera de TV. Após o módulo Eagle se acoplar com sucesso ao de Michael Collins em órbita, retornaram a terra chegando em 24 de julho de 1969 mergulhando nas águas do Pacífico Sul, perto da Polinésia, concretizando uma das maiores aventuras e fantasias da humanidade. 




O legado 

Passados 50 anos hoje é admirável a proeza técnica que conseguiram com os recursos da época. Desde a capacidade de cálculos físicos, desenvolvimento de uma engenharia aeroespacial e perícia humana dos pilotos, tudo se intercalou com maestria para a conquista. Não quero entrar em detalhes técnicos pois há inúmeros documentários detalhando as etapas do projeto, mas cabe ressaltar que foi uma missão tão arriscada e dramática que por alguns segundos o combustível não seria suficiente para a alunissagem, por exemplo.






Independente das inúmeras teorias de conspiração contestando a ida do homem a lua, e algumas até muito intrigantes, foi um feito extraordinário para humanidade não apenas cientificamente mas um exemplo de superação e determinação.





sexta-feira, 28 de junho de 2019

Batman 1989 - Revisitando após 30 anos


Filmes Análise
Por Fábio Alves


Batman de 1989 não é só um filme clássico de super herói mas um que redefiniu a industria. Prestes a completar 30 anos de seu lançamento em outubro desse ano, pavimentou o caminho para chegarmos até esse gênero do cinema que fatura bilhões atualmente.



Os filmes de super heróis no cinema dos anos 80 eram bem restritos. Iniciando no final dos anos 70 com o icônico Superman, a Warner dominava com o escoteiro azul e nem sinal da Marvel. E a ordem natural de popularidade seria levar Batman aos cinemas em uma versão modernizada. E tudo veio a acontecer com a renovação do personagem nos quadrinhos na metade dos anos 80 com a impressionante graphic novel “O Cavaleiro das Trevas retorna” de Frank Miller. 










Trouxe uma visão muito mais violenta e sombria do herói, com ares quase sobrenaturais de um ser que trazia medo aos criminosos. E essa versão foi a escolhida para ir ao cinema. Tim Burton, um diretor promissor e autoral foi o escolhido para trazer o vigilante para as telas e não decepcionou visualmente. 









O filme é estranhamente noir, gótico, gangster e até mesmo distópico com uma Gotham City única, mas tudo se combina em um ambiente sufocante e intrigante.









Michael Keaton foi o escolhido para interpretar o herói de baixo de críticas dos fãs mais fervorosos. Mas curiosamente o ator de estatura média e sem estereótipos entregou um Batman\Bruce Wayne austero e reservado, como deveria ser. E hoje é considerado um dos melhores interpretes do herói. 









Mas nada como reapresentar seu maior inimigo e o Coringa teria de estar no projeto. Interpretado por um entusiasmado Jack Nicholson , trouxe um Coringa as vezes exagerado, as vezes genial, mas condizente com a ambição do personagem levando a surtos de loucura e devaneios. 







A personagem Vicky Vale serve como ponte ao mundo real e curiosamente o filme se apóia nela várias vezes como ponto de vista de tudo que esta ocorrendo. Assim como o veterano ator Michael Gough traz um mordomo Alfred extremante humano e relutante às ações de seu protegido. O filme traz ação na medida certa mas sem exageros, com destaque para o incrível batmóvel e um jato estilizado como um morcego que rendem os melhores visuais do filme. 






Mas muitas coisas não funcionaram, como a escolha do Coringa como autor do assassinato dos pais de Bruce Wayne ou mesmo algumas liberdades do diretor que irritaram os fãs. Até mesmo o uniforme foi controverso. Ele funciona mais de forma estática, em belas fotos do que em movimento. Mas é extremante orgânico seu visual e o icônico simbolo amarelo com o morcego ao centro esta presente e é uma marca registrada dos quadrinhos dos anos 80 e 90 do morcego. 








O filme foi um sucesso no lançamento, faturando mais de US$ 400 milhões em bilheteria sendo um recorde pra época. Além de ter ganho um Oscar e gerado uma das melhores animações já feitas: Batman – A Série Animada. Sua sequência, Batman – O Retorno de 1992 também realizada pelo mesmo diretor e Michael Keaton é considerada por muitos críticos como um filme melhor e mais desenvolvido. Mas eu particularmente fico com o filme de 89, pela sua importância para o gênero, pelos visuais mais sombrios e por um Batman de poucas palavras mas de ação na medida certa.