sábado, 1 de junho de 2019

Mistérios do Mundo - Oak Island

Curiosidades
Por Fábio Alves



Quem gosta de mistérios do mundo com certeza já ouviu falar de Oak Island. Seja pela série de sucesso do History Channel ou por pesquisas mais recentes que mapearam quase toda a ilha, o grande mistério que envolve o local de possíveis ocultamentos de tesouros ainda continua. Irei iniciar uma série de artigos sobre os grandes mistérios do mundo e Oak Island esta entre os maiores atualmente.





Oak Island (Ilha de Carvalho) é uma ilha de 57 ha (en torno de 570 mil m2, cerca de 60 campos de futebol) localizada Condado de Lunenburg, na parte sul da Nova Escócia, no Canadá. Muitos acreditam que nessa pequena ilha do Oceano Atlântico está enterrado o tão falado tesouro dos Templários, o mesmo que fez com que o rei francês Filipe, o Belo, destruísse a ordem.





Uma descoberta intrigante

Em 1795, o adolescente Daniel McGinnis perambulava na ilha de Oak Island quando cruzou com uma curiosa depressão circular no solo. Sobre a depressão estava uma árvore e em um de seus galhos havia uma polia de navio. Como já tinha ouvido falar de estórias de piratas naquela região, decidiu voltar para casa e retornar depois para investigar o local. McGinnis e seus amigos John Smith e Anthony Vaughan retornaram ao local e o que descobriram deixaram-nos atônitos. Logo abaixo da superfície havia uma camada de cascalho cobrindo um poço com 3 metros de profundidade onde encontraram uma camada de tábuas de carvalho, comum na Europa. Mais ao fundo, encontraram mais tábuas dificultando a exploração e não podendo continuar sozinhos, decidiram voltar depois com mais recursos. 



Tentativas de escavação

Após 8 anos voltaram com a The Oslow Company, equipe fundada com a meta de escavação. Continuaram descendo até 27 m, encontrando uma camada de cascalho a cada intervalo de 3 m. Mesmo com as camadas, aos 12 m uma camada de carvão foi encontrada. Aos 15 m uma camada de piche, e a 18 m uma camada de fibras de coco. A 27 m escavados, a mais intrigante prova de que alguma coisa estava enterrada ali fora encontrada: uma pedra com inscrições em um alfabeto misterioso. Uma das possíveis traduções seria: "Quarenta pés abaixo, dois milhões estão enterrados." Mas depois de tirar mais uma camada de tábuas de madeira a 27 m de profundidade, água começou a inundar o poço onde encheu até o nível de 10 m no dia seguinte. Ou seja, uma armadilha engenhosa. 


Como bombear não funcionava, no ano seguinte um novo poço foi cavado 30 m mais abaixo onde um túnel passava por cima do já batizado "Poço do Dinheiro". Mas a água inundou também o novo poço escavado, e foi tudo largado por 45 anos. Começava aí um grande mistério pois essa engenhosa armadilha foi descoberta e surpreendeu a todos. Por mais que a água fosse bombeada, o poço era novamente preenchido pelo mar. Descobriu-se então uma pequena parte do intrincado plano dos construtores desconhecidos do poço para manter as pessoas longe de seu conteúdo e supostos tesouros.








Em 1849 uma nova companhia chamada The Truro Company descobriu que os idealizadores do poço criaram um sistema de drenagem espalhado por 44 m de distância da praia. O efeito disso é um sistema de filtragem que mantinha os canais limpos e que esses canais subterrâneos encontravam o "Poço do Dinheiro" numa profundidade de 33 m. Assim para a Truro Company, a resposta agora era simples: bloquear a água que vem da praia e cavar o tesouro. Sua primeira tentativa foi construir uma represa fora da praia e drenar a água para depois desmantelar os canais de drenagem. Infelizmente uma tempestade destruiu a represa antes de estar pronta desfazendo todo o plano.



Em 1893 uma nova companhia, a Treasure Company decidiu que só conseguiriam acessar o poço, selando a água da Smith's Cove, como ficou conhecida, dinamitando o túnel de inundação. Cinco cargas foram ajustadas em buracos perfurados perto do túnel de inundação mas não funcionou: a água jorrou mais forte ainda. Ainda assim inseriram uma sonda para retirar algum material e descobriram um intrigante domo de concreto e tiraram uma pele de carneiro com inscrições que remetem segundo teorias aos manuscritos de Shakespeare, aumentando ainda mais o interesse. Posteriormente foi descoberto um segundo túnel de inundação, que ficou comprovado ser uma armadilha para proteger algo valioso e não queria que ninguém chegasse perto. Entre 1900 e 1936 muitas tentativas foram feitas para obter o tesouro, todas sem sucesso.















Descobertas recentes





Daniel Blankenship, que faleceu recentemente, começou suas buscas em 1965. Ele ultrapassou os 13 m originais encontrando desde pregos, um lavatório, uma tesoura de 300 anos e uma pedra em forma de coração, muito parecida com uma outra encontrada num tesouro pirata no Taiti. 







Mas a maior descoberta foi em 1976, quando a empresa Triton cavou algo que hoje é conhecido como escavação 10-X: Um tubo de metal de 72 m afundado 55 m a nordeste do Poço do Dinheiro. Uma câmera foi colocada nesse tubo descobrindo uma suposta mão decepada flutuando na água e depois algo que pareciam ser 3 baús para tesouros ou ferramentas além de um corpo humano. Mergulhadores iriam averiguar mas as fortes correntes e pouca visibilidade tornou impossível qualquer atividades. Após estas descobertas, houve um colapso nas paredes do buraco e ele nunca mais foi reaberto. 





Em 2 de Janeiro de 2006, após 40 anos de sonhos frustrados, Dan Blankenship e David Tobias decidiram fechar seus negócios e colocaram a ilha à venda, sendo comprada por Marty Lagina e pelo seu irmão Rick Lagina, onde pode ser acompanhada suas explorações atuais na série "A Maldição de Oak Island" pelo History Channel. Pode se dizer hoje que aparentemente templarios franceses estiveram na ilha e teriam enterrado seus valiosos tesouros no local. 




Mas muitas perguntas ficam: Como conseguiram ocultar tão bem esses supostos tesouros com recursos da época com armadilhas extremamente engenhosas? Pois hoje, com nossa tecnologia atual, há uma imensa dificuldade em localizar ou chegar a essa profundidade. Atualmente os irmãos Lagina estão gastando uma pequena fortuna na exploração e ainda sem retorno de um tesouro efetivo. Mas espera-se uma descoberta que entre para os livros de história desvendando mais um mistério do mundo.

quarta-feira, 15 de maio de 2019

Nova geração de consoles para 2020 - O que esperar

Games Análise
Por Fábio Alves


Uma nova geração de consoles esta chegando com grandes expectativas para as novidades tecnógicas que sempre trazem. Os sucessores dos consoles atuais vem com o PlayStation 5 e o novo Xbox, onde espera-se uma evolução tanto em capacidade gráfica e de processamento, quanto em novas experiências em jogabilidade. Assim quero trazer as ultimas novidades pré E3 2019 onde muita coisa deve ser mostrada lá.



Novo Playstation

Recentemente Mark Cerny, engenheiro que projetou o PS4 e está responsavel pelo novo Playstation divulgou detalhes em uma entrevista recente. Em parceria com a AMD, o vindouro PS5 trará uma CPU baseada na terceira geração do chip da linha Ryzen, contendo oito núcleos com a nova microarquitetura de 7 nanometros Zen 2 da empresa chegando próximo a 16 teraflops. A GPU terá suporte a Ray Tracing, tecnologia que simula o comportamento dos raios de luz em ambientes 3D, oferecendo reflexos, distorções e outros efeitos realistas. 



Cerny explicou que a aplicação do Ray Tracing no PS5 vai além de implicações gráficas, influenciando tambem em um áudio mais impactante e realista. A grande novidade por enquanto é o drive SSD, que promete melhorar significativamente a performance do console e eliminar tempo de carregamento nos jogos, além da retrocompatibilidade com o PS4. Além de rodar conteúdo interativo em 8k mas focando jogos em 4k a 60fps. E acredito que alguns jogos que estão para chegar na reta final do PS4 deverão ter um porte de lançamento para o PS5, como Death Stranding, The Last of Us: Part II e Ghost of Tsushima.



Novo Xbox

Com certeza na E3 2019 a Microsoft irá mostrar o novo Xbox e especulações não faltam a seu respeito. Apesar de não haver dados divulgados oficialmente, especula-se que podem haver três modelos em desenvolvimento para atender públicos variados, um modelo focado mais em mídias digitais, outro com suporte a discos Blurays e outro intermediário. Com o codinome provisório de Scarlett, espera entregar 4k com 60fps e retrocompatibilidade com Xbox anteriores. Quanto ao seu processamento seria similar ao PS5 com tecnologia Zen 2 da AMD além de GPU compatível ainda a ser revelada.






Quanto aos jogos ela tem um grande trunfo nas mãos que foram a contratação recente de inúmeros estudios sobre sua gerência, que prometem trazer grandes exclusivos para a plataforma. Os jogos futuros previstos são Halo Infinite, Starfield, novo Forza, novo Call of Duty e Gears of War 5, que deverá sair para ambas as gerações.




E a Nintendo?



Especula-se que poderá lançar a médio ou longo prazo uma revisão de seu atual console de sucesso Switch, com upgrades de processamento ou mesmo uma modificação de seu hardware para uma versão mais compacta. E continuará correndo por fora com seus grandes sucessos exclusivos e grandes franquias como Metroid Prime, The Legend of Zelda e Pokemon. 




Então fica a grande expectativa para a nova geração, com novos serviços e novas tecnologias que nos surpreendam mais uma vez.

segunda-feira, 6 de maio de 2019

Asteroides - O que são e quais as reais ameaças

Curiosidades
Por Fábio Alves





O que são?

Os asteroides são corpos rochosos e metálicos que possuem uma órbita definida ao redor do Sol. Fazem parte dos corpos menores do sistema solar geralmente com algumas centenas de quilômetros sendo que alguns possuem até satélites naturais orbitando-os.






Ceres é o maior asteroide conhecido, possuindo diâmetro de aproximadamente novecentos quilômetros. Mas desde 24 de Agosto de 2006 passou a ser considerado também um planeta anão. Eles possuem brilho variável, o que é explicado pela sua forma irregular, que reflete como um espelho a luz do Sol em diversas direções. Os asteroides estão concentrados em uma órbita cuja distância média do Sol é de cerca de 2,1 a 3,2 unidades astronômicas, situando-se entre as órbitas de Marte e Júpiter. Esta região é conhecida como Cinturão de Asteroides, sendo a fonte de pequenos corpos.







Alguns asteroides podem ter órbitas muito excêntricas, aproximando-se periodicamente dos planetas Terra, Vênus e Mercúrio. Os que podem chegar perto da Terra são chamados EGA ("earth-grazers" ou "earth-grazing asteroids"). Um deles é o famoso Eros. Há muitas técnicas utilizadas para se estudar suas características físicas: fotometria, espectrofotometria, polarimetria e radiometria no infravermelho. 








A superfície da maior parte deles é comparável à dos meteoritos carbônicos ou dos meteoritos pétreos. Segundo as teorias mais modernas, os asteroides seriam resultado de condensações da nebulosa solar original, mas que não conseguiram aglomerar toda a matéria em volta na forma de um planeta devido as perturbações gravitacionais provocadas pelo gigantesco planeta Júpiter. Outra teoria afirma que existia um planeta que foi destroçado pela sua proximidade com Júpiter, gerando esse cinturão.




Ameaças a Terra


Grandes asteroides com até um quilômetro de diâmetro podem se aproximar mais de 10 vezes a uma distância perigosa da Terra nos próximos 32 anos, informou o Antistikhia, Centro Russo de Monitoramento e Previsão de Emergências Naturais e Antropogênicas. Segundo eles até 2050 são esperados 11 eventos de asteroides se aproximando a uma distância menor do que o raio médio da órbita lunar (385 mil quilômetros). O tamanho dos corpos celestes variam entre 7 e 945 metros.








O asteroide mais perigoso é o 99942 Apophis, de 393 metros de diâmetro. Em 13 de abril de 2029, o astro passará a 38,4 mil quilômetros da Terra, que praticamente corresponde à órbita dos satélites geoestacionários (35,8 mil quilômetros), a uma velocidade de mais de 26.000 Km/h. 






A NASA divulgou uma animação em vídeo que explica melhor o percurso previsto do Apophis: vê-se a Terra ao centro, a deslocação da Estação Espacial Internacional na sua órbita (a roxo), vários pontinhos verdes que representam os satélites construídos e lançados ao espaço pelo homem e o asteroide a passar no limiar da zona ocupada pelos satélites.






O chefe da NASA, Jim Bridenstine, disse que "Temos de usar os nossos sistemas, usar as nossas capacidades para obter finalmente muito mais dados, e devemos fazer isso mais rapidamente. Sabemos que os dinossauros não tinham um programa espacial. Mas nós temos, e precisamos usá-lo", e relembrou o meteoro de 20 metros que explodiu sobre a cidade russa de Chelyabinsk em fevereiro de 2013, a 22.500 metros acima da superfície terrestre, que caiu com um enorme trovão, soprando janelas, danificando milhares de edifícios na área e ferindo cerca de 1.500 pessoas com vidro despedaçado em sua maioria.




Na semana passada, a NASA anunciou união com parceiros internacionais para realizar exercícios teóricos sobre como lidar com um asteroide hipotético que se move rumo ao planeta Terra, além de estar se preparando para a sua primeira missão de redirecionamento de asteroides por naves espaciais, designada Teste de Redirecionamento Duplo de Asteroides (DART, na sigla em inglês), que está marcada para junho de 2021.