sábado, 14 de julho de 2018

No Man´s Sky - Como esta o game hoje e o que virá no update NEXT

Games Análise
Por Fábio Alves




No Man´s Sky, desde seu lançamento, foi um game muito polêmico. Desenvolvido por uma produtora indie, Hello Games, foi lançado em 2016 para Playstation 4 e Pcs envolto de muito hype. Mas com tantas expectativas altas, o tombo também foi alto.






Esse simulador de exploração espacial prometeu desde incontáveis planetas até sistemas estelares complexos para descobrir, com criaturas e biomas dos mais diversos para serem catalogados. 









Usando um sistema de crafting em que o jogador vai coletando diversas matérias primas como carbono, ferro, plutônio, zinco entre outros, usa-se esse material tanto para abastecer a nave e seu exotraje, quanto para criar itens como upgrades e até bases com veículos nos planetas. Esses itens também podem ser negociados nas estações espaciais tanto para venda como compra. Sua nave pode ser trocada por uma melhor ao longo da jornada e tudo parecia fantástico nos primeiros trailers.








Ocorre que muito do que foi prometido acabou não sendo entregue, faltando um modo multiplayer, houve downgrade nos gráficos, uma campanha confusa de ser acompanhada, problemas no crafting e limitações de armazenamento de itens (que irritou muito os jogadores) e principalmente erros de marketing. Por ser um jogo indie, esse game foi vendido muito caro na época e também deveria ter sido explicado melhor a sua mecânica que desagradou muitos. 




Como esta o game hoje





Atualmente o game recebeu três ótimos updates gratuitos, o que deve ser valorizado pois mesmo com todas as críticas a produtora não largou o game e trouxeram inúmeras novidades que não vinham no game lançado. Além de upgrade nos gráficos, trazendo novas texturas e resolução 4K, veio a opção de construir bases nos planetas e veículos para ajudar na exploração. Melhorou muito o sistema de crafting e armazenamento dos itens, onde hoje o jogador pode até comprar um cargueiro para armazenar tudo. A navegação espacial da nave também melhorou muito sendo mais responsivo.







Nova expansão NEXT


O game será lançado em 24 de julho para XBox One e junto trará um grande update chamado NEXT (também para PS4 e PC), onde a produtora promete trazer uma economia melhorada dos itens, um sistema de portais pra viagens rápidas, um universo regenerado com novas missões e histórias e finalmente um multiplayer cooperativo/PVP, entre outras novidades.




Mas como o universo do game é gerado proceduralmente (a cada novo início tudo é remodelado), há um limitação de algoritmo para grandes mudanças em toda a estrutura, ficando ainda assim um game de exploração que ainda pode não agradar a todos. O que se espera realmente é que haja uma melhora nos design das criaturas, um multiplayer funcional e que sejam remodelados alguns planetas para ficar algo mais diversificado. 


sexta-feira, 29 de junho de 2018

Cosmos e Carl Sagan - Refletindo a existência

Curiosidades
Por Fábio Alves




Carl Edward Sagan foi um famoso cientista nascido em Nova York em 1934 e falecido em Seattle em 1996 em decorrência de uma pneumonia, depois de uma batalha de dois anos contra uma rara e grave doença na medula óssea (mielodisplasia). Foi astrônomo, astrofísico, cosmólogo, biólogo, escritor e divulgador científico, sendo autor de mais de 600 publicações científicas e autor de mais de 20 livros de ciência e ficção científica. Mas foi entre os anos 60 e 80 que empreendeu uma sequência de eventos revolucionários para a astronomia.







Sagan trabalhou no programa espacial americano desde a sua fundação. Desde a década de 50, trabalhou como assessor da NASA, instruindo astronautas participantes do programa Apollo antes de partirem à Lua. Também participou de várias missões que enviaram naves espaciais robóticas para explorar o Sistema Solar, preparando os experimentos para várias destas expedições, incluindo as famosas mensagens universais que pudessem ser potencialmente compreensível por qualquer inteligência extraterrestre que as encontrassem. 






As primeiras foram acopladas as sondas espacial Pioneer 10 e 11, e posteriormente refinou suas mensagens como o Disco de Ouro da Voyager, enviada pelas sondas espaciais Voyager em 1977. Dentre as suas principais realizações científicas estão o descobrimento da atmosfera agressiva e altas temperaturas de Vênus e as suposições dos oceanos na lua de Titã em Saturno e a Europa de Jupiter, sendo conhecido a partir daí por suas pesquisas sobre a possibilidade de vida extraterrestre, incluindo a demonstração experimental da produção de aminoácidos por radiação a partir de reações químicas básicas.





Mas como divulgador científico que registrou sua marca. A habilidade de Sagan para transmitir suas ideias, permitiu que muitas pessoas compreendessem o cosmos, simultaneamente enfatizando o valor da raça humana e a insignificância relativa da Terra em relação ao universo. Foi um grande defensor do ceticismo e do uso do método científico na busca por inteligência extraterrestre através do projeto SETI.





Série Cosmos



A longa série de TV de 1980 "Cosmos: Uma Viagem Pessoal", o tornou extremamente famoso, onde ele mesmo narrou e co-escreveu. A série é de uma didática incrível, ao mesmo tempo informativa e reflexiva, flertando até mesmo com a filosofia existêncial. 





Abordando desde as origens do universo conhecido, passando pela formação do Sistema Solar, desenvolvimento da vida na terra e projeções do futuro da humanidade, demonstrou um domínio incrível de diversas áreas com uma linguagem acessível ao grande público e de uma sensibilidade notável. Vale notar que em diversos momentos abordou temas difíceis como a religião x ciência mas com total respeito, e o ceticismo diante de diversos casos ufológicos que gerou sua famosa frase "Afirmações extraordinárias requerem evidências extraordinárias". Mas vale comentar que em 1966, Sagan foi membro do Comitê Ad Hoc para a revisão do Projeto Blue Book, promovido pela força aérea dos Estados Unidos para investigar o fenômeno OVNI.




Com um trilha sonora cuidadosamente tocante, foi realmente uma grande viagem pessoal por um universo desconhecido para muitos que embarcaram nessa saga do conhecimento. Recentemente em 2014 houve uma continuação da série de 1980. Trazendo 13 episódios, Cosmos: Uma Odisseia do Espaço-Tempo foi apresentada pelo físico Neil deGrasse Tyson. Os produtores executivos foram Seth MacFarlane e Ann Druyan, viúva de Sagan. A segunda temporada já esta confirmada para 2019.






O livro Cosmos foi publicado para complementar a série de 1980. Carl Sagan também escreveu o romance Contact, que serviu de base para um filme homônimo de 1997. Em 1978, ganhou o Prémio Pulitzer de Não Ficção Geral pelo seu livro The Dragons of Eden. Ao longo de sua vida, recebeu vários prêmios e condecorações pelo seu trabalho de divulgação científica. Carl Sagan é considerado um dos divulgadores científicos mais carismáticos e influentes da história, graças a sua capacidade de transmitir as ideias científicas e os aspectos culturais ao público não especializado.





Deixo uma frase marcante de Sagan ao comentar a famosa foto da Voyager de 1990 onde estava a 6,4 bilhões de quilômetros de distância, mostrando a terra como um pálido ponto azul.
"Tem-se falado da astronomia como uma experiência criadora de firmeza e humildade. Não há, talvez, melhor demonstração das tolas e vãs soberbas humanas do que esta distante imagem do nosso minúsculo mundo. Para mim, acentua a nossa responsabilidade para nos portar mais amavelmente uns para com os outros, e para protegermos e acarinharmos o pálido ponto azul, o único lar que temos conhecido."


sábado, 9 de junho de 2018

Marte já teve vida? Nasa encontra moléculas orgânicas

Curiosidades
Por Fábio Alves



Dia 7 de junho de 2018 a Nasa fez uma declaração surpreendente: Encontrou moléculas orgânicas em rochas de três bilhões de anos, indicando evidências de que pode ter existido vida no planeta vermelho.



A sonda Curiosity perfurou diversas rochas de uma cratera chamada Gale, que se formou ao longo de três bilhões de anos e se acumulou no local onde um dia existiu um lago. A sonda utilizou um aparelho conhecido como SAM (Sample Analysis at Mars) para aquecer as amostras e liberar as moléculas orgânicas das pedras. Assim foram encontrados traços de elementos como enxofre, carbono, propano, buteno, hidrogênio, oxigênio e nitrogênio, que geralmente estão relacionados com a presença de vida. Mas a Nasa ressalta que é possível também que tenham sido criadas por outros processos não biológicos na qual não seriam indicativos de vida.





Mas os cientistas permanecem esperançosos. Segundo Thomas Zurbuchen do Diretório de missões científicas da Nasa: "Com essas novas descobertas, Marte está nos dizendo para permanecer nesse caminho e continuar a procurar por evidência de vida. Estou confiante de que nossas missões de agora e do futuro vão realizar descobertas ainda mais incríveis no planeta vermelho".






Jen Eigenbrode do Centro de Voo Espacial Goddard comentou também que "Seja um registro de vida antiga, alimento para vida, ou a ausência dela, a matéria orgânica encontrada em Marte dá pistas sobre os processos e condições químicos do planeta". Essa descoberta também ressalta o potencial que o planeta vermelho tem de abrigar vida no futuro. Apesar de não ser habitável hoje, Marte já teve um clima que favoreceu a existência de água líquida em sua superfície, abrindo margem para uma futura habitabilidade. 







Outra descoberta relevante foram as detecções de variação de metano na atmosfera de Marte. Foram observadas essas alterações ao longo de três anos marcianos (quase seis na Terra), mas ainda não sabem ao certo a origem delas. "Essa é a primeira vez que vemos uma repetição na história do metano, o que nos dá margem para entender seu contexto em Marte", disse o pesquisador Chris Websters, do Laboratório de Propulsão da NASA. 






A confirmação de vida em Marte, mesmo no passado, ainda é uma incógnita. Mas a Nasa permanece confiante de que suas recentes descobertas trarão mais resultados favoráveis e um grande incentivo para missões futuras de exploração da superfície e também do subterrâneo, com novas sondas que já estão planejadas para os próximos anos.